yagé

Selo editorial dedicado ao estudo e à publicação de livros sobre antropologia, enteógenos, psicodélicos, plantas de poder, medicina da floresta, povos originários e arte visionária. Este selo contempla obras populares e publicações acadêmicas sobre este universo transcultural.

DE VILCABAMBA AO CÉU DO MAPIÁ

Na primeira parte, o livro alterna entre capítulos da “Memórias da vida real”, em que é contada a história da chegada dos espanhóis à América e seu encontro com a civilização inca, e “Histórias da vida real”, em que se narra a viagem de retorno do autor à Espanha, dez anos depois de sua prisão. Na segunda parte, o autor faz um paralelo entre o Céu do Mapiá, comunidade do Santo Daime, e Vilcabamba, cidade sagrada dos incas.

ficha técnica

DE VILCABAMBA
AO CÉU DO MAPIÁ

FERNANDO RIBEIRO
PREFÁCIO: ALEX POLARI DE ALVERGA

  • 328 páginas, Papel Polen Bold 70 g/m2.
  • Papel Supreme 300 g para a capa.
  • Formato fechado 14 X 23 cm.
  • Peso: 300 g.

R$80,00

cOMPRar AGORA

ficha técnica

DE VILCABAMBA
AO CÉU DO MAPIÁ

FERNANDO RIBEIRO
PREFÁCIO: ALEX POLARI DE ALVERGA

Saiba mais
  • 328 páginas, Papel Polen Bold 70 g/m2.
  • Papel Supreme 300 g para a capa.
  • Formato fechado 14 X 23 cm.
  • Peso: 300 g.

R$80,00

cOMPRar AGORA

SOBRE O AUTOR

fernando ribeiro

Fernando Ribeiro nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais, em março de 1962. Passou a infância e a adolescência entre o Chile e o México, acompanhando seus pais durante o exílio político, quando teve oportunidade de conhecer outras Américas. Voltou ao Brasil com quinze anos e viveu até os vinte no Rio de Janeiro, onde cursou a faculdade de História, na UFRJ. Em 1982, abandonou a Academia, embarcou rumo à Europa, ficando três anos entre Itália, Espanha e Portugal. Em novembro de 1985, voltando da longa viagem, teve um encontro que mudou radicalmente a sua vida. Tomou, em um ritual, a bebida cerimonial ayahuasca, o “vinho das almas” e, a partir desse momento, decidiu se dedicar ao estudo e ao conhecimento dessa antiga tradição. Fez várias viagens à Amazônia, até que, em 1989, se mudou para o interior da floresta, onde viveu por doze anos.